África: Congresso sobre água e saneamento aberto em Abdjam

Salvador Gome (Abidjam)

Abdjam,17 Fev 14 (ANG)- O primeiro-ministro da Costa do Marfim, Daniel Kablan Duncan abriu hoje em Abidjam, na Costa do Marfim os trabalhos do 17º congresso da Associação Africana de Água, que conta com a participação de 1200 delegados, entre os quais instituições e associações africanas e internacionais ligadas ao sector de água e saneamento.

Kablan Duncan destacou a necessidade de se tomar a consciência de que fornecer água potável e saneamento às populações e faze-las habituar-se às boas práticas de higiene é impulsionar o desenvolvimento do continente africano

“Este desafio confere à associação africana de água um papel primordial de sensibilização das populações, de mobilização dos recursos junto de financiadores para o acesso das colectividades em África à serviços melhorados de saneamento e aprovisionamento em água potável”, disse.

O também ministro da economia, finanças e orçamento da Costa do Marfim recomendou à associação o reforço das suas acções nomeadamente através da cooperação sul-sul para a obtenção de melhores resultados.

E recomendou ainda a diversificação das fontes de financiamento, a inovação da tecnologia e maior implicação do sector privado tanto ao nível de produção assim como na distribuição.

“A cooperação sul-sul nos oferece uma plataforma dinâmica de trocas de experiência , de promoção  de investimentos e de partilha de boas praticas a fim de encontrarmos soluções definitivas  para os desafios técnicos e financeiras que se colocam ao sector de água e saneamento nos nossos países”, sustentou.

A Costa do Marfim acaba de lançar um programa que Daniel Cablan considera ambicioso, devendo para a sua execução serem investidos mais de 400 biliões de francos cfa no domínio de água.

“No total, o governo pretende mobilizar mais de 600 biliões de francos cfa para permitir ao pais alcançar os objectivos mundial em matéria de água potável e saneamento, que visa a redução para metade até de 2015 da população que não tem acesso à água potável e saneamento.

Até quinta-feira dia 20, os participantes vão procurar propostas africanas  de soluções duráveis para a problemática da água e saneamento no continente.

A presidente da Associação Africana de Água, a sul africana, Myene Deduzile mostrou-se contra a importação de soluções para os problemas que o continente enfrente no sector.

“Temos que ter soluções africanas para os nossos problemas, soluções adaptadas as nossas realidades”, propôs.

As estatísticas indicam que 400 milhões de pessoas vivem no continente africano a consumir água de qualidade pouco fiável, e que a falta de saneamento afecta mas de 250 milhões de outras.

Esta tarde, os trabalhos do congresso com o lema “mobilização dos recursos e gestão de água e saneamento em África” prosseguiram com a realização de um simpósio sob o lema, “gestão integrado dos recursos em água e mudanças climáticas”.

Este sub-tema constitui o primeiro dos cinco sub-temas que serão discutidos com vista  a responder as constatações tidas como “alarmantes” relacionadas ao acesso à água potável e saneamento em África.

Para a comunidade dos profissionais e actores do sector trata-se de procura de meios apropriados de acesso para todos aos serviços de água e saneamento no continente africano. (Salvador Gomes, enviado especial da ANG)

 

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: